Nelsinho Piquet corre a primeira corrida da história da Fórmula E

Piloto brasiliense está na Ásia para abertura do campeonato, que marca o reencontro das famílias Piquet, Senna e Prost nas pistas

Previous Image
Next Image

233534_435228_np14_fefia2O futuro do automobilismo começa neste final de semana em Pequim, com nomes protagonistas de momentos áureos da história das pistas. O primeiro campeonato mundial para carros 100% elétricos dá largada na madrugada de sábado na capital chinesa. A Fórmula E vai reunir no grid Nelsinho Piquet, Bruno Senna e Nicolas Prost, herdeiros diretos de dez títulos da F1 entre 1981 e 1993.

“Estou muito motivado com a categoria. É um conceito absolutamente inovador. Fico contente pela oportunidade que recebi do Team China. Espero usar esta chance para mostrar que posso ser competitivo em qualquer tipo de carro de corrida”, declarou Nelsinho Piquet, inscrito com o #99.

O campeonato da Fórmula E será o terceiro do piloto brasileiro em 2014. Ele é o atual líder do Red Bull Global Rallycross Championship e integra também o BMW Team Brasil no Blancpain Sprint GT Series.

“Sempre digo que não tem melhor lugar para um piloto que na pista e fico feliz de conseguir realizar este sonho. Tenho 21 anos de carreira, mas me empolgo como um novato com a chance de acelerar os mais variados carros. Nos meus últimos anos de Nascar fiz cerca de 30 corridas por ano, quase tudo na mesma categoria. Distribuir as provas em eventos diferentes acho que é melhor ainda”, frisou o piloto. Em 2014 ele participou também de uma corrida na elite da Nascar (Sprint Cup), além de provas no rallycross lites e como piloto convidado na Stock Car brasileira.

Nelsinho realizou os testes finais da nova categoria elétrica em Donington Park e sabe que vai competir contra um grid gabaritado, com diversos oponentes com passagem pela F1. “Tivemos menos quilometragem e isso faz diferença numa categoria que começa do zero. Esta primeira corrida acontece em casa para o time e sabemos da importância de terminar a prova”, lembrou Piquet Jr. Ele terá como companheiro o chinês Ho-Pin Tung, escalado com o carro #88.

Percorrida no sentido anti-horário, a pista montada em Pequim para a corrida inaugural tem 20 curvas e circula duas instalações icônicas construídas pelos chineses para receber os Jogos Olímpicos de 2008: o Estádio Olímpico (“Ninho de Pássaro”) e o Centro Aquático de Pequim (“Cubo d’Água”). O traçado tem 3,44 km de extensão e mescla curvas apertadas para a esquerda com duas grandes retas intermeadas por chicanes. O pitlane foi projetado em formato de U, para acomodar uma arquibancada com vista privilegiada para toda a ação nos boxes.

As atividades de pista em Pequim começam na manhã deste sábado em horário chinês (noite de sexta no Brasil). O qualifying está programado para 1h, com a largada às 4h. Há previsão de transmissão ao vivo para o Brasil pelo Fox Sports1.

Sobre o Team China:

Com respaldo do Ministério do Esporte chinês, o Team China Racing foi fundado em 2004 em Pequim como uma das equipes oficiais da A1GP. Desde então, tem participado de diversos eventos internacionais, como a Fórmula Superleague e o FIA GT1. O objetivo declarado da escuderia é, em parceria com fabricantes chineses, desenvolver seu próprio carro elétrico nos próximos três anos.

O gerente esportivo do Team China é Adrian Campos, piloto da Minardi em 21 corridas de F1 no final entre 1987 e 1989. Depois de encerrar sua carreira nas pistas, o espanhol se dedicou à sua própria equipe, a Campos Racing, em campeonatos como GP2, World Series by Nissan, AutoGP e F3 Europeia.

Saiba mais sobre a Fórmula E:

Concebida em 2012 e chancelada pela FIA como a primeira categoria global para carros 100% elétricos, a Fórmula E nasce monomarca e com a pegada de marcas de ponta na F1 em seu DNA.

Todos os dez times receberam carros elétricos modelo Spark-Renault SRT 01E. O chassi é Dallara, equipado com motor elétrico desenvolvido pela McLaren. O sistema de baterias foi criado pela Williams. A caixa de câmbio tem cinco marchas, e a Michelin é a fornecedora oficial de pneus da categoria.

Equipados com baterias de aço e lítio, os carros têm 780 kg de peso limite. Na temporada inaugural, serão capazes de fazer de 0 a 100 km/h em 3 segundos, com velocidade máxima em torno dos 225 km/h.

Como as corridas têm previsão de uma hora de duração (portanto mais longas que os cerca de 30 minutos de autonomia das baterias), cada piloto tem dois carros à disposição. Nos pit-stops os competidores saem de um veículo para o outro. Como eles têm potência diferente, um dos elementos da estratégia das provas será definir se os carros mais fortes serão usados na largada ou na parte final dos eventos.

Outra variação na potência dos carros os pilotos e equipes podem conquistar via internet. O site oficial da Fórmula E promove uma enquete chamada “fan boost”, em que os torcedores são convidados a escolher um piloto para ser premiado com uma carga extra. Os três mais votados recebem um acréscimo de 30kw em cada carro durante cinco segundos.

A sustentabilidade pauta também a dinâmica dos eventos da nova categoria. Como nove das 10 etapas estão previstas para circuitos urbanos (a execeção é Berlim, com a corrida marcada para um aeroporto desativado), o “e-prix” será um evento de apenas um dia para minimizar o impacto nas cidades e controlar os custos da Fórmula E.

O cronograma de cada etapa determina dois treinos livres (45 e 30 minutos). A tomada terá ao todo 40 minutos de pista, com os pilotos divididos em quatro grupos de cinco carros. A potência máxima de 200kw estará disponível e cada piloto terá apenas um carro à disposição nos 10 minutos de pista de seu grupo. Larga na frente o autor da melhor volta, que soma ainda três pontos no campeonato.

As corridas têm uma hora de duração com pit-stop obrigatório para troca de veículo. Substituições de pneus são autorizadas apenas em caso de furo. Durante as provas, os carros serão limitados a 150kw (com exceção dos cinco segundos de potência adicional que os vecedores do “fan boost” recebem em cada carro). As largadas são paradas, com a distribuição de pontos seguindo o padrão FIA, com 25 para o vencedor, 18 para o segundo colocado, 15 para o terceiro etc. A novidade no sistema de pontos é a premiação do autor da volta mais rápida com um bônus de 2 pontos.

Nove das 10 sedes da primeira temporada 100% elétrica do automobilismo mundial já estão confirmadas. O Rio de Janeiro esteve indicado entre as cidades postulantes (e houve inclusive o projeto do circuito no aterro do Flamengo), mas acabou fora do calendário. A única data ainda com praça a confirmar é a da quinta etapa, 14 de fevereiro de 2015. Por questões logísticas, a corrida deve acontecer no continente americano e já manifestaram interesse na prova as cidades de Atlanta (EUA) e Vancouver (Canadá), além da capital mexicana.

Os direitos comerciais da categoria pertencem à empresa Formula E Holdings, que tem como CEO o espanhol Alejandro Agag (ex-membro do Parlamento Europeu). No Brasil, a transmissão de TV fica a cargo dos canais Fox Sports, que anunciam a exibição de todas as corridas da temporada.

 

Calendário da Fórmula E – temporada 2014-2015:

  • 13.set – Pequim (China)
  • 22.nov – Putrajaya (Malásia)
  • 13.dez – Punta del Este (Uruguai)
  • 10.jan – Buenos Aires (Argentina)
  • 14.fev – A confirmar
  • 14.mar – Miami (EUA)
  • 4.abr – Long Beach (EUA)
  • 9.mai – Monte Carlo (Mônaco)
  • 30.mai – Berlim (Alemanha)
  • 27.jun – Londres (Reino Unido)