Nascar: Nelsinho Piquet completa corrida na Sprint Cup em Watkins Glen

Brasiliense sobrevive a corrida conturbada com o carro #77 e conquista o melhor resultado da história da Randy Humphrey Racing com o 26º lugar

Previous Image
Next Image

230568_426110_np14_glencupdom1Nelsinho Piquet sobreviveu a uma corrida marcada por duas intervenções da bandeira vermelha neste domingo em Watkins Glen e terminou sua primeira corrida na Nascar Sprint Cup Series. Ele recebeu a bandeira quadriculada com o Ford Fusion #77 em 26º lugar, o melhor resultado da história do time na mais popular categoria do automobilismo americano.

“Foi um final de semana intenso, cheios de altos e baixos. Passamos por situações bem difíceis para evitar as confusões e no fim do dia 26º não foi tão mal, considerando nossas limitações. O objetivo do time era o 30º lugar, então fico contente por ter superado a meta”, disse o piloto de 29 anos de idade.

A jornada do carro #77 em Watkins Glen foi dificultada por pouco tempo de pista na sexta-feira. O carro passou boa parte dos treinos livres na garagem, o que dificultou o trabalho de Piquet na tomada. Depois de classificar o carro em 32º, Piquet largou duas posições à frente e logo entrou numa estratégia diferente da maioria dos pilotos ao aproveitar a primeira bandeira amarela na volta 11 para fazer seu pit-stop.

A corrida então teve um longo período em bandeira verde. Conforme os adversários faziam suas paradas, Piquet Jr avançava na pista. Ele chegou a andar em 14º. Mas com o passar das voltas o carro #77 não sustentou a posição no top-15. 

Com a perda de ritmo, acabou virando retardatário na segunda rodada de pit-stops. Mas a cinco voltas do final Nelsinho conquistou o lucky dog, recuperando a volta do líder para a última relargada da tarde. 

“Na prova, nossa estratégia era trabalhar o acerto do carro nas paradas, brigar para permanecer na volta do líder e poupar freios para tentar alguma coisa no final. Deu para cumprir. Foi uma pena que para desviar de um acidente tive um toque na parte final da corrida, então o carro ficou empenado e a partir daí foi questão de sobrevivência apenas”, acrescentou Nelsinho.

Ele foi o primeiro brasileiro a terminar uma corrida da elite da Nascar em 11 anos, mas se disse especialmente satisfeito por voltar ao ambiente da categoria em Watkins Glen –foi sua primeira prova em 2014. 

“Com certeza vir aqui e brigar no final do pelotão é uma experiência diferente que brigar pelo título no rallycross. Mas não poderia perder a oportunidade de andar na Sprint Cup e rever todos na Nascar”, completou o piloto.

Ele volta às pistas em duas semanas, para a disputa da sexta etapa do Red Bull Global Rallycross Championship em Daytona.