Nelsinho Piquet inicia defesa do título da Fórmula E na casa de sua equipe

Segunda temporada começa em Pequim, com novo pacote técnico, mais potência durante as corridas e Superpole para definir o grid

Previous Image
Next Image

Agora com o carro #1 do Nextev TCR, Nelsinho Piquet inicia neste sábado na casa de sua equipe a trajetória para tentar manter a coroa de campeão da Fórmula E. A segunda temporada da categoria para carros 100% elétricos começa em Pequim, com um pacote de novidades em relação ao primeiro ano.

“Voltando à China como campeão, sinto que o dever de casa é muito maior. Temos uma montadora conosco agora, chinesa, e que foi campeã. Certamente estão esperando um bom resultado nosso e vamos trabalhar bastante para isso”, comentou Piquet Jr.

Depois de uma temporada inaugural com equipamentos idênticos, a Fórmula E liberou os times para desenvolverem seus carros.

Oito dos dez times do grid têm suporte oficial de montadoras, que buscaram soluções variadas. No grid alinharão carros com um ou dois motores e câmbios de cinco, quatro, três e uma marcha –caso do Nextev TCR.

O pit-stop continua demandando a troca de carro, mas a potência máxima em corrida foi ampliada de 150 kw para 170 kw. A extensão da etapa de Pequim terá uma volta a mais que em 2014, o que representa um desafio adicional em termos de gerenciamento de energia.

“Em termos de performance só vamos ver com os carros na pista na China. Espero novamente uma diferença muito pequena entre os tempos. Temos a mesma equipe e o mesmo potencial para andar na frente do ano passado”, aponta Piquet, que passará a ter um companheiro de equipe fixo. O inglês Oliver Turvey, que fez sua estreia na rodada dupla em Londres em junho, foi confirmado pelo time como titular do carro #88 para o ano todo.

O regulamento liberou a construção do “powertrain”, ou unidade motriz. É o mecanismo que compreende o motor elétrico, caixa de câmbio e o “inveter” (componente que transforma a corrente direta das baterias em corrente alternada, necessária para o motor). Os chassis, baterias e kits aerodinâmicos permanecem padronizados.

Na pista, além do aumento da potência nas provas, a maior novidade é a introdução da Superpole. Agora os cinco mais rápidos do quali têm uma sessão extra de 15 minutos com as mesmas condições de pista para definição do pole position. “Acho que é um atrativo a mais para o público, com os carros mais rápidos juntos na pista”, frisou o brasiliense de 30 anos de idade, anunciado nesta semana como embaixador da Visa para a Fórmula E.

O FanBoost também foi alterado. Agora a enquete por uma carga adicional de potência no carro encerra votação seis minutos depois da largada. O “boost” só vai ser usado no segundo carro dos três piloto eleitos, mas o competidor agora tem margem para dosar entre o uso de 200 kw por um intervalo mais curto ou um acréscimo abaixo do limite durante mais tempo. O sistema de votação foi ampliado: além do site oficial da Fórmula E, os votos são computados por Twitter e Instagram. A enquete para o ePrix de Pequim foi aberta na semana passada e o atual campeão da Formula E tem permanecido na liderança do público.

A Fox Sports transmite ao vivo a Formula E para o Brasil. A largada para o ePrix de Berlim está marcada para as 6h de sábado (horário de Brasília).