Após corrida atribulada, Nelsinho Piquet soma pontos importantes no FIA WEC

Piloto da Rebellion sofre com problemas de câmbio e visibilidade mas ainda termina em quarto lugar na categoria LMP2 em Spa-Francorchamps

Previous Image
Next Image

Apesar de uma prova bastante atribulada, o brasileiro Nelsinho Piquet terminou a segunda etapa do Campeonato Mundial de Endurance, as 6 Horas de Spa-Francorchamps (Bélgica), na quarta colocação na categoria LM P2, para equipes sem apoio de fábrica, e em décimo no geral.

Com isso, Piquet e seus companheiros na equipe Rebellion, Mathias Beche e David Heinemeier-Hansson, agora somam 12 pontos na classificação da categoria e sobem de nono para sétimo.

Nelsinho pilotou o protótipo #13 na primeira e última horas de corrida. Como planejado, Piquet evitou as confusões no começo da corrida, mas teve problemas de câmbio e desgaste de pneus, completando seu turno em quinto lugar.

Quando pegou o carro de volta, a tripulação ocupava o quarto lugar na classe. Mas Nelsinho ficou atrás de um carro que soltava óleo e com isso teve problemas de visibilidade. Depois que a equipe impou o para-brisa no último pit stop, Piquet Jr. chegou a tirar a diferença em relação ao adversário imediatamente à frente, mas não foi suficiente para chegar ao pódio.

Agora, Nelsinho Piquet se concentra em mais uma etapa da FIA Formula E, no próximo fim de semana. Será uma corrida “em casa”, já que o primeiro campeão mundial da categoria de carros elétricos mora no Principado.

Já a próxima etapa do FIA WEC será uma das mais tradicionais provas do automobilismo mundial: as 24 Horas de Le Mans, nos dias 17 e 18 de junho. Em 2016, Piquet Jr. venceu em Le Mans entre os protótipos privados com a Rebellion.

Classificação classe LM P2 em Spa

1º A.Lynn / R.Rusinov / P.Thiriet
2º B.Senna / N.Prost / J.Canal
3º H.Tung / O.Jarvis / T.Laurent
4º N.Piquet Jr. / M.Beche / D.Heinemeier-Hansson
5º G.Menezes / M.Rao / N.Lapierre

O que Piquet falou:

“Meu primeiro stint não foi dos melhores, tive alguns problemas com o câmbio e por isso acabei forçando e tive um desgaste dos pneus traseiros, o que nos fez perder muito tempo. A gente conseguiu recuperar, meus companheiros fizeram um bom trabalho. No meu último stint saí do box atrás de um carro da equipe Kolles que era 20 km/h mais rápido na reta e eu não conseguia ultrapassá-lo, fechava a porta sempre. Para piorar, o carro soltava muito óleo e por 15 voltas eu não enxergava nada. A equipe pediu para eu ficar o máximo possível na pista antes da última parada, o que era praticamente impossível. Daí parei, reabasteci e limparam o vidro. Eu estava só 10 segundos atrás do Bruno (Senna, que viria terminar em segundo na LM P2) e acabei mais de 50, ou seja perdi muito tempo com isso”